15/12/17

No Brasil, as tarifas de energia elétrica geralmente causam estresse nos consumidores. Somos completamente dependentes da eletricidade em nosso dia a dia, e os aumentos gradativos nas faturas acabam fazendo com que muitos tenham que economizar injustamente no consumo para não ultrapassar seu orçamento.

 

Infelizmente, as expectativas para 2018 não são otimistas, e o ano deve começar com mais aumentos. Mas o que exatamente pesa tanto no bolso do consumidor? O que torna esse serviço tão caro para nós, que somos obrigados a arcar com custos tão altos?

 

O que consta nas tarifas de energia

 

Basicamente, as contas de luz são divididas em quatro partes que representam porcentagens e custos diferentes. São elas: o custo da energia (que envolve sua geração), medido por kWh; transmissão, que é o transporte da energia; a distribuição, que leva a energia até a unidade do consumidor; e os encargos setoriais, que incluem os tributos.

 

Os valores são definidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica, que aplica reajustes anuais de forma a reaver se os valores repassados estão sendo suficientes. A cada quatro anos, a Aneel realiza a Revisão Tarifária, onde reavalia os cálculos das tarifas.

 

Encargos e tributos: a maior parte das tarifas de energia

 

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, afirma que a parte mais significativa dos custos da tarifa tem a ver com os encargos e tributos. Considerando toda a cadeia da energia elétrica, tudo que envolve sua geração, transmissão e distribuição, “a carga tributária do setor chega a 50%”, diz Rufino.

 

Dentro dos vários encargos, um deles se destaca, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Ela serve principalmente para subsidiar tarifas de baixa-renda e os geradores de região isolada, que geralmente são mais caros que o normal.

 

Para se ter uma ideia do custo da CDE, é possível citar o Estado de Roraima. Lá, para gerar 1 MWh de energia são necessários cerca de R$1.700. Isso por que quase toda a geração de energia no Estado acontece com uso do Diesel, que alimenta geradores. Com a energia solar, por exemplo, esse mesmo tanto de energia pode ser gerado custando cerca de R$300.

 

As projeções para 2018 mostram que a CDE deve custar, em média, R$17,9 bilhões para todos os consumidores brasileiros, sem exceção. Isso significará um aumento médio de 2,15% nas tarifas de energia individuais.

 

Vale lembrar que todos esses encargos, incluindo a CDE, são reflexos de má administração dos sistemas energéticos, má projeção do crescimento do consumo – o que elevou custos para atender a demanda – e a crescente inflação, que afetou diversos setores da produção.

 

Energia mais cara para ser gerada

 

Não apenas os encargos afetam de forma pesada as tarifas de energia atualmente. O custo da geração é, atualmente, extremamente alto para boa parte das hidrelétricas. Isso porque o reservatório dessas usinas se encontra muito baixo por causa das secas.

 

A falta de chuva deixou os reservatórios nos níveis mais baixos desde 2001, quando o país precisou racionar sua energia. A bandeira vermelha (que pode aplicar na fatura até R$5,00 a cada 100 kWh consumido) será uma realidade em vários meses de 2018 para dar conta dessa realidade.

 

Com a capacidade das hidrelétricas em baixa, as termoelétricas precisam atender a demanda da população. Essas usinas, além de serem mais poluentes, são mais caras.

 

o-que-torna-as-tarifas-de-energia-tao-caras-ponto-solar

Reservatório baixo da usina hidrelétrica de Maribondo (SP/MG) mostra o efeito do tempo seco. Imagem: reprodução / UOL.

 

Todos esses fatores contribuem para o aumento no custo da geração de energia, uma conta extra que, claro, sobra para os consumidores.

 

Por mais que os grandes culpados nesse caso aparentemente sejam o tempo seco e a falta de chuvas, o problema é a grande dependência do setor energético brasileiro das usinas hidrelétricas.

 

Se investimentos em geração de energia limpa, renovável e mais barata, como a energia solar, tivessem sido realizados de forma massiva há algum tempo, o preço pago pela falta de capacidade das hidrelétricas não seria tão caro quanto está sendo agora.

 

Indenizações às transmissoras de energia

 

Além dos encargos e tributos e o clima desfavorável para as hidrelétricas, outro fator que aumentará os números da fatura de energia é a indenização das transmissoras de energia.

 

No decorrer de oito anos, cerca de R$62,2 bilhões de reais devem ser pagos às transmissoras, tudo partindo do bolso de consumidor.

 

Esse valor representa uma gratificação concedida às empresas que renovaram suas concessões antecipadamente, e garante à elas um incentivo para continuarem com suas operações no país.

 

Anualmente, o impacto dessas indenizações representa cerca de 7,2% do valor imposto nas tarifas de energia. Esse mesmo desconto deve valer para 2018.

 

Possíveis soluções

 

Os custos com a energia elétrica têm feito com que muitos consumidores reduzissem seu consumo de forma drástica, prejudicando seu dia a dia. Empresas também são prejudicadas com as faturas altíssimas, que prejudicam seu crescimento.

 

Esse cenário tem feito com que cada vez mais brasileiros procurem produzir sua própria energia, de forma a baratear seus custos. Não à toa, a energia solar cresceu mais de 300% no último ano, aliviando muito os gastos para aqueles que investiram no sistema.

 

Isso porque os painéis fotovoltaicos podem ser responsáveis por uma economia de até 95% nas tarifas de energia, fazendo com que eles não tenham mais de se preocupar com os fortes aumentos.

 

Para quem investe em energia solar, quanto mais a energia tradicional (vinda das concessionárias) aumenta seu custo por kWh, mais os investimentos valem a pena, já que quem não gera sua própria energia não consegue “escapar” desses aumentos.

 

 Se você deseja começar a economizar agora mesmo produzindo sua própria energia, converse com a Ponto Solar. Nossos profissionais fazem produtos sob medida para sua residência ou empresa, implementando um sistema de energia solar de acordo com suas necessidades e, claro, gera o máximo de economia para você. Fale com a gente!

 

Com informações de Correio Braziliense, Campo Grande.