10/08/17

A poluição sofrida pelo planeta sempre teve seus principais agentes. Um dos principais, claro, é a enorme frota de veículos movidos à combustão de combustíveis poluentes, como gasolina, álcool e diesel.

 

Uma grande aposta para deixar o futuro mais sustentável e reduzir a emissão de gás carbônico (CO2) na atmosfera são os carros elétricos, uma tecnologia que vêm ganhando mais espaço constantemente. Mas reduzir a poluição em um nível real é um pouco mais complicado. Vamos ver.

 

carro-elétrico-blog-ponto-solar

Nissan Leaf, veículo elétrico japonês. Foto: reprodução / carroeletrico.info

 

Veículos silenciosos e não poluentes

 

Atualmente, empresas como Volkswagen, Chevrolet, BMW e Nissan já comercializam veículos que absolutamente não precisam encher o tanque nos postos de gasolina.

 

Há muito tempo a Alemanha procura reduzir a frota de carros movidos a gasolina. No ano passado, o país decidiu que os carros movidos a combustíveis fósseis só poderiam ser vendidos até 2030.

 

No entanto, é preciso considerar: mesmo que não poluam enquanto transitam, será que a energia elétrica que alimenta esses veículos é também obtida de forma limpa?

 

E de onde vem a energia?

 

Mesmo que não emitam poluentes causadores do efeitos estufa, nem gases tóxicos de nitrogênio nas ruas, se os veículos elétricos não forem alimentados por energias limpas e renováveis, não trarão grandes mudanças na poluição mundial.

 

Para exemplificar, podemos citar novamente a Alemanha, país reconhecido pelos investimentos em energia solar. Por lá, mais da metade da energia produzida ainda provém do carvão e do gás natural, extremamente poluentes.

 

Estima-se que uma pessoa que dirija um carro elétrico e carregue seu veículo em uma tomada alemã precise rodar cerca de 100 mil quilômetros para que seu carro passe a “poluir menos” que um carro movido a gasolina. Isso tudo por causa da forma de obtenção de energia.

 

Outro fator que atua contra os carros elétricos é sua própria fabricação, em especial as suas baterias, que atualmente demandam muita energia (e portanto poluentes) para serem fabricadas.

 

Segundo o Instituto Fraunhofer de Física das Construções, na Alemanha, a fabricação de um veículo elétrico demanda duas vezes mais energia do que fabricar um automóvel convencional. Para cada quilowatt-hora (KWh) de capacidade de suas baterias, são emitidos cerca de 125kg de dióxido de carbono.

 

estacionamento-solar-blog-ponto-solar

“Estacionamentos sustentáveis” que abastecem veículos elétricos a partir de energia solar são ótima solução. Foto: reprodução / GreenBras.

 

Energia solar e carros elétricos: a melhor combinação

 

Para reduzir de fato os impactos ao ambiente e tornar os carros elétricos realmente sustentáveis, o investimento em geração de energia solar é a melhor opção, principalmente por sua praticidade.

 

Pesquisadores de Engenharia Automotiva da Universidade Livre de Berlim constaram que carros elétricos abastecidos com energia limpa e renovável emite ao longo de sua vida útil cerca de seis vezes menos CO2 do que veículos comuns.

 

Um exemplo de sucesso que podemos citar será implementado aqui mesmo no Brasil, na cidade de São Paulo. Estima-se que até o fim desse ano, a cidade receberá uma frota de 60 ônibus elétricos abastecidos com energia solar que será gerada nas próprias garagens onde os ônibus ficarão estacionados. Portanto, sua alimentação será com energia totalmente limpa.

 

Algo semelhante também vale para carros elétricos particulares. Quem possui um sistema de geração de energia solar em sua casa ou empresa poderia “abastecer” seu veículo ligando-o a uma tomada do local. Assim poderia rodar tranquilamente, sabendo que não estaria contribuindo para a emissão de poluentes.

 

painéis-solares-ponto-solar-blog

Foto: reprodução / 1000x Online

 

E você, quer começar a investir em uma forma de geração de energia mais limpa? Mesmo que não possua um veículo elétrico, a energia solar já pode começar a fazer parte da sua realidade. Converse com os profissionais da Ponto Solar e saiba mais sobre nosso serviço!

 

Com informações de DW, G1.